A derrota, por Geninho

|
Trechos da entrevista coletiva publicada no Globo Esporte - "O time começou relativamente bem e tomamos dois gols bobos, estamos tomando gol de bola cantada. Você sabe o que o adversário vai fazer, mas ele faz e consegue o gol. São gols que você pode evitar, uma equipe que almeja chegar aos quatro primeiros, não pode tomar esse tipo de gol. No segundo tempo melhorou, o Marquinhos rendeu mais, criamos chances. E dávamos o contra-ataque para eles, mas foi pouco. Infelizmente não conseguimos, o time erra e se perturba, fica emocionalmente perturbado. Muito jogador jovem, os mais velhos passaram pela situação do ano passado e fazem cobrança.
Desatenção defensiva
Você mexe com ser humano, de repente apaga a luz. Ele quer tanto ajudar e não guarda a posição, falta força para um passe e a cobrança é grande. Alguns sentem o peso. Tem que cobrar, corrigir, mas ter tranquilidade. Se você chega chutando o balde, não consegue nada. É uma desatenção por querer acertar, erros oriundos de um excesso de vontade. Se cada um fizer o seu, fica mais difícil do adversário jogar, futebol é um esporte coletivo. Mas estamos tomando gols mostrados, compilamos tudo e você passa isso. Agora o porque você erra, é difícil de explicar e não é um jogador errando. Se fosse um, era mais fácil, mas são vários e isso cria um problema grande. A gente está tentando e o importante é não desistir. Está pegando fogo na casa? Está, mas tem que achar a porta.
Ajuda externa
Nunca fui refratário a ajuda, uma palavra de fora sai de uma maneira melhor do que o dia a dia. (...) é uma saída que tentei, falei com pessoas que me ajudaram em outras situações e estão em outro clube. Se alguém tiver alguma sugestão, é bem-vindo, quem vier para puxar a corda, é bem-vindo. Nosso vestiário é bom, não tem rivalidade, mas uma palavra de fora pode trazer algo que você não está dando.
Chegada dos times de baixo
Equipes podem alcançar, temos o Ceará. Os times encostaram, o Santa venceu, o Atlético-GO, o América-MG, mais gente chegou para o baile. Se o Ceará vence, ele me puxa, mas estarei no bolo, a um passo de voltar ao G-4. O importante é terminar a última rodada entre os quatro.
Possibilidade de sair do G-4
Eu disse que não gosto de entrar no G-4 cedo, você vira alvo e traz a responsabilidade grande. É um desgaste, inclusive emocional, existe a cobrança de ficar entre os quatro. Por isso eu falo que não gosto de entrar muito antes, o clube se acostuma a estar na situação. O time que entra agora, está motivado. Quem estava lá, pode se acostumar e fica assustado em sair. Agora que entramos, claro que vamos ficar. Se sairmos, vem a motivação para voltar, mas o futebol é assim, você administra os momentos. Não é que eu não queria estar no G-4, mas você entrar cedo tem esse desgaste, eu gostaria de entrar agora, é mais fácil de se manter. Se sair, vamos tentar voltar.
É possível voltar às boas atuações
Quem faz uma vez, pode fazer duas. Mas tem que ter tranquilidade para isso. Se na primeira bola errar e ficar com medo, não vai conseguir. É preciso ter calma para voltar a jogar aquele futebol, a confiança tem que vir de dentro de cada jogador. O Avaí não fez uma vez, fez 12 jogos sem perder".

Um comentário:

Sérgio disse...

Excesso de vontade?

Postar um comentário