A nossa culpa e sorte de cada dia

|
Comentei aqui no dia de ontem que por mais estranho que possa parecer, há muitos torcedores pedindo desculpas por não terem acreditado no acesso do Avaí. Nada mais comum num continente evangelizado por jesuítas, cuja doutrina pregava a culpa humana e a expiação dos pecados via sofrimento e arrependimento. Essa história que se não for com sofrimento não é o ___________ (complete com qualquer time sul-americano que lhe vier à mente) é coisa bem nossa.
Como disse e repito, depois daquele milagre do Fluminense em 2009, apenas a matemática pode jogar a última pá de cal sobre qualquer sonho relativo ao futebol. O que não impede ninguém de deixar de acreditar e o Avaí, todos sabemos, conquistou o acesso escorado na incompetência cavalar de seus adversários e num oceano de sorte como poucas vezes vista. Mas se a sorte não acompanha os (mais) incompetentes, o Avaí merece todos os méritos por esse triunfo na temporada.
Nilton Macedo em foto de Jamira Furlani
Ainda na esteira das declarações passionais, dos pedidos de perdão e dos sentimentos de culpa que assolaram alguns avaianos, destaco a compreensão pelas primeira palavras do presidente Nilton Macedo após confirmado o sucesso do time na série B. Ao declarar Não somos incompetentes, o dirigente acusa o tamanho da bigorna que repousava em seus ombros após assumir o "legado inestimável" que nem ele conhecia, o que resultou na confissão em pleno Debate Diário da CBN dizendo que se soubesse dos números reais, dificilmente assumiria o cargo para o qual foi eleito.
Se a administração de Nilton Macedo ainda é uma continuidade de seu antecessor? Já tive mais certeza disso, afinal de contas não se pode desprezar o fato de um acesso no primeiro ano de seu mandato e ainda em meio a uma hecatombe financeira salva pelos R$ 8 milhões dos terrenos desapropriados pelo Estado. Aliás, não fosse esse dinheirinho abençoado naquele momento crítico, o Avaí poderia ter ficado na série B não por derrotas em campo, mas por WO mesmo.
A redenção pela conquista de sábado torna a todos temporariamente perdoados, aí inclusos o presidente, seu staff, o Conselho Deliberativo, Departamento de Futebol, comissão técnica e até esse elenco sobre o qual muita gente deseja uma faxina preventiva. Entretanto, e disso continuaremos a falar enquanto for necessário, muitos erros de gestão precisam ser corrigidos. Ter sorte é muito bom, é útil, mas vencer por méritos próprios é sempre a escolha mais segura. Amém?

Um comentário:

turica disse...

Perdão avai, perdão leão!

Postar um comentário