Avaí, de primeira

|
Trechos da entrevista de Gilson Kleina "Opção por André Lima e não o Rômulo - Treinamos duas situações, quando cheguei, gostaria de ver como a equipe estava jogando e depois achei que tinha que ter mais força no ataque. Marquinhos com uma característica e André Lima com outra, precisávamos ter uma transição um pouco mais rápida, a aumentar a criatividade junto com o Marquinhos, além de ter desafogo na diagonal, e acho que isso aconteceu.  Ao mesmo tempo treinamos uma variação com o Rômulo, com dois jogadores abertos, fizemos um bom treino, mas voltamos com o André e conversamos com o garoto. E foi justo ele ter entrado depois.
Pontos positivos e negativos
- Conseguimos controlar o resultado de vitória. Se tecnicamente e taticamente não fizemos um grande jogo, mas saímos com três gols de diferença, não tomamos gol, aí a confiança de cada um cresce, mas ainda não ganhamos nada. Temos que ter o pé no chão, vamos ter que correr ainda mais, o adversário (o próximo, o Guarani de Palhoça) é o mais organizado (do quadrangular), como estão falando. Temos que ter gana de vitória, mas o mais importante é conseguir o resultado.
Confronto em casa com o Guarani
- Passa a ser um mata-mata. Guarani e nós, domingo que vem, tem caráter decisivo novamente. Vamos entender a postara: ao mesmo tempo temos que nos precaver, mas não podemos deixar de atacar, criar, e assim vai ser. Todos estamos com seis pontos. Os critérios de gols nos levou ao segundo lugar, mas o jogo mais importante passa a ser domingo. Vamos fazer vale nosso mando, ter tranquilidade para trabalhar, não deixar de ser competitivo.
Os laterais
- Quando a gente pede passagem dos laterais, a gente quer jogadores mais agudos, mas temos que respeitar as características dos jogadores e momento. O Pablo se soltou no final do jogo, começou a fazer jogada, deu tapa no fundo, tentou o drible, fez 2 -1 aproximando, mas no começo ele estava repetindo uma situação que vi nos últimos vídeos, vindo por dentro, congestionando o meio. Quanto mais for por dentro, maior a dificuldade. 
Willian Rocha fora no domingo
- Nós não temos um zagueiro para fazer essa função. O Wilian faz essa função (lateral esquerda) porque já fez no Sport e no Atlético-PR, no momento também está fazendo isso no Avaí. Ganha-se em marcação e bola parada, mas dificuldade na parte ofensiva. O Eltinho só joguei contra, até conversei com ele, sempre achei ele muito agudo, temos que entender por que está passando por essa situação. Tem o garoto Sander, que estou conhecendo aqui. Vamos jogar dentro de casa, praticamente quem vai propor o jogo é o Avaí, mas não adianta propor o jogo com receio, não entender que o erro acontece no jogo de futebol, acontecer o erro e sumir na partida. Vamos assumir isso, passar toda confiança. Acho que ele (o Eltinho) é o principal substituto, sim. Vamos ver que forma podemos formar isso até mesmo na quarta para depois pensar no domingo. 
O ataque e a torcida
- Começamos hoje com o ataque marcando forte e isso contagiou a equipe. Começamos a mostra atitude e confiança. Passa a ser jogo muito impotente, sem demagogia, agradecer o torcedor que teve paciência, a gente sabe que não é normal um time de serie a nessa situação. Mas encaramos a situação e esperamos um crescimento tanto na copa do Brasil e no fim de semana. via Globo Esporte

Nenhum comentário:

Postar um comentário