Avaí, de primeira

|
Coletiva pós-jogo de Gilson Kleina - "O desempenho do Avaí foi bom, claro que teve a felicidade do Emanuel, ele foi muito bem. Um erro que nós tivemos, erramos por dentro e nos dificultou. Tiramos a velocidade do Vasco, nos posicionamos, fizemos passagens pelo lado do campo, tentamos preencher mais o meio de campo. Acho que a equipe adversária viveu de lançamentos longos, no começo do jogo eles apertaram mais, o momento que nós começamos a ganhar a segunda bola e pegamos confiança. Quando iríamos pegar o meio e ter a estocada, tomamos o gol."
Faltou perna para o Avaí? - "Até optamos por velocidade, não vi o Vasco tão superior. Estávamos vem posicionado, se tem uma equipe que corre no Brasileiro é a do Avaí, não é problema de perna não. O que eu vi foi que os laterais no começo sofreram um pouco e depois os nossos volantes conseguiram participar. Então hoje conseguimos neutralizar o Madson, depois ele abriu o time, mas não foi uma criação do adversário. Uma saída de bola nossa que não conseguimos tirar. A felicidade do jogo foi o arremate do Emanuel."
Ajustes na equipe e ausência de Marquinhos - "A equipe do Avaí na 10ª rodada é uma equipe em formação. Hoje iniciou o Juninho pela primeira vez. O Romulo começou jogando, estamos estudando, é uma equipe que está se conhecendo, um time que está se formando. O Marquinhos é um líder dentro de campo técnico, inteligente, o Anderson passando o seu melhor momento no Avaí, é o nosso artilheiro no ano, então é resgatar isso para termos tranquilidade nesses dias."
Pensava em colocar o Roberto? - "Essa era uma intenção também, só que perdemos o meio de campo e viemos travar com a entrada do Everton, que nós treinamos. Perderíamos ainda mais o meio e teríamos quatro atacantes. A intenção era ter a transição, infelizmente quando fizemos a substituição, tomamos o gol."
Pegar o líder Sport às 11h - "Conversamos na sexta passada, é um jogo atípico ,vamos ter que a partir de sexta tomar um café da manha e treinar no horário do jogo. Tem que adaptar o organismo dos atletas, é um horário mais quente que você tem que acordar mais cedo e tem que se adaptar."
Excesso de cartões - "A gente precisa conversar muita coisa. O Emerson ele vai falar sobre uma falta que o Romário sofre e leva o cartão. Você não pode falar nada. O Antônio Carlos toma um chute e uma cabeçada e toma o vermelho. O André Lima foi falar com ele no intervalo e ganhou cartão. É um numero que cresceu no brasileiro e não só do Avaí. Não se pode falar com o árbitro." Matéria GE

2 comentários:

Sandro Azevedo disse...

O que nos mata é está eterna desculpa "em formação"...

Pablo Antony disse...

Tem jogador no Avaí achando que está jogando no Barcelona.
São dois jogos já que perdemos por tentar fazer linha de passe na defesa e entregamos o ouro.
E o Eduardo Neto gosta de fazer bastante isso.

Postar um comentário