Desespero versus inteligência tática

|
Os medidores de temperatura e pressão do ar apontam para uma das partidas mais difíceis do Avaí nessa série A. Não que do outro lado esteja um adversário que venha fazendo uma grande campanha, muito pelo contrário, há muitas rodadas segura a lanterna com uma fidelidade canina. Entretanto, há muitos fatores que prometem dificultar as ações do Leão da Ilha na cidade de Joinville.
O JEC chega desesperado, o que por si só é o dopping natural mais poderoso da face da Terra. Completamente perdidão, o presidente Nereu sabe que fez bobagem ao demitir Hemerson Maria, mais bobagem ainda em trazer Adilson Batista, e agora aposta tudo na renovação radical de seu Departamento de Futebol. Não será por falta de ânimo e pregação de "espírito de guerra" dos novos técnico e superintendente que faltará ânimo para um grupo aparentemente perdedor.
O tricolor do Norte ainda está fazendo chamadas ufanistas aos torcedores, promoção de ingressos para os seus sócios, venda da partida como o dia da ressurreição, palestras motivacionais, filminhos chorosos na concentração, suborno à São Pedro com preces para que envie aquele tradicional aguaceiro, enfim, o cenário de inferno esportivo está todo ele milimetricamente preparado.
Ao Avaí caberá ser inteligente, entender sua superioridade técnica e emocional, e não permitir os mesmos erros bobos cometidos até aqui. Tomar gol antes dos 15min iniciais, nem pensar. Cagada da meia e zaga entregando bolas açucaradas para o outro lado, parem com essa palhaçada. Cabeça no lugar, sem ansiedade, vendo o desespero deles aumentar e dar o bote final, essa é a tática.

Um comentário:

Paulo disse...

E ainda tem a arbitragem...

Postar um comentário