Explicar e convencer, eis o desafio

|
Parece que o dia de ontem foi todo ele dedicado a desmentir Roberto Alves, por desconfiar que os muitos "rebolados" de Gilson Kleina a cada partida do Avaí seria por influência de empresários parceiros do clube. Carlos Arini falou por telefone e ao vivo no Debate Diário, Nilton Macedo concedeu entrevistas para portais e rádios da Capital, além do próprio Gilson Kleina que, indignado, sugeriu analisar junto ao seu advogado possíveis medidas legais contra o colunista esportivo.
Claro que os cartolas avaianos não poderiam se calar diante do petardo opinioso lançada pela imprensa, mas vamos combinar que a tarefa de debelar essa dúvida fica deveras dificultada ao se comparar a promessa inicial e a realidade atual praticada pelo chefe do poder executivo do Avaí.
Algo mudou entre o dia de sua posse, no final de 2013, quando garantiu que em sua gestão um empresário jamais teria mais que quatro atletas no elenco, e hoje, onde se confirmam 11 boleiros agenciados por Eduardo Uram na folha salarial do Leão. Aliás, são 20 contratos assinados com jogadores do empresário em dois anos. Fé e futebol se confundindo na Ressacada. Charge Kanin

Nenhum comentário:

Postar um comentário