Um time chamado desânimo

|
Gilson Kleina não fez segredo de sua intenção de buscar um empate na Ilha do Retiro. Embora seja um projeto pouco ambicioso desde a sua origem, não deixa de fazer sentido se levarmos em conta que somar qualquer coisa fora de casa é a cartilha básica para a reta final do Brasileirão.
Mas com 10 dias para treinar como "fechar a casinha" diante do Sport, o desânimo da equipe fazer crer que ninguém prestou atenção nas dicas do professor da Ressacada. Ou o que foi dito e ensaiado foi aquilo mesmo que se viu, "premiado" com uma dolorida derrota por 3x0 ao natural.
Em ritmo de preguiça avaiana, comentários encorpados e análise dos jogadores nessa derrota malemolente de ontem, não valem a pena. Cabe lembrar que o Avaí ocupa a 16ª posição, empatado em pontos com o primeiro do Z4 e sábado pega o Palmeiras na Ressacada. Pensa na pressão.

6 comentários:

Sandro Azevedo disse...

De repente, poderiam adotar a mesma tática do Marquinhos. Podem poupar o time inteiro só pra jogar em casa... Já que não aguentar jogar fora! Vergonhoso.

Gilberto disse...

Pior do que a situação financeira, o pior "legado inestimável" é a convicção do torcedor de que o Avaí nunca dará certo. Até poderá chegar perto, mas sempre faltará alguma coisa. É essa sensação que faz com que 90% da torcida já pressinta que o Avaí, mesmo numa posição ainda relativamente boa, está fadado a cair novamente. O Vasco tem 27 pontos e sua torcida acredita. O Joinville tem 27 pontos, passou o campeonato inteiro no Z4 e sua torcida nunca deixou de acreditar. Por que isso? Porque, com todos os erros que eles cometeram, a torcida percebe que há boa vontade, comprometimento, luta, disposição... No Avaí nós não conseguimos enxergar isso. Nem vou falar de qualidade técnica ou fundamentos táticos. Refiro-me apenas à boa vontade, ou seja, o mínimo do mínimo. Mas nem isso demonstramos ter. Aí fica difícil.

Sergio Nativo disse...

Esta complicado para o torcedores de vários clubes, não falo no torcedor do Flamengo porque o time é o mais fraco do Rio e não esta no Z-4. Isso ja é um milagre, mas aos demais basta um pouquinho de profissionalismo e boa vontade, não para pensar em Sul América, mas não cair na zona de desconforto e ver o mundo do clube desmoronar em 2016. Não estão nem ai para a desvalorização de seu passe. Pobre e usado torcedor, muitos ganham uma mixaria, compram camisas, se associam, vão aos jogos para ver o time fazer teatro. Não é a toa que a cada dia o futebol perder mais torcedores. Culpa dos dirigentes incompetentes, jogadores mercenários, técnicos acomodados e com medo de perder o emprego e gang de torcidas nos estádios. Esse lazer esta ficando chato. Não desisti de ir aos jogos, mas pelo encontre entre amigos, a cada dia amadureço a ideia de largar de ser torcedor de clube de futebol. Aja saco!

George disse...

Nosso sistema defensivo é um dos mais fracos de todos os times e o treinador ainda não conseguiu arrumar isso. Fica difícil vencer quando tomamos 2 ou 3 gols por jogo. Tá soda, como diz o meu amigo Serjão "Amaury Jr." Prazeres.

Unknown disse...

Boa noite. Um líder passa para seus comandados, independente da situação, a responsabilidade mínima q é honrar a camisa e seu salário. Profissionais tem q fazer valer seu ganho, independente de uma situação ruim ,momentânea ou não, Um gestor tem q ver o que é melhor, buscar soluções , não se acomodar no marasmo de q jogar fora já é perdida. Lembro nosso vizinho que já mostrou que com Gana, coração no bico da chuteira, conseguiu melhores resultados q nós. Porquê?

Unknown disse...

Boa noite. Tudo passa por gestão e planejamento. Ano passado, tivemos mais sorte q juízo, graças a situação financeira, agora com venda de terrenos, lembram, com cotas de série A, cade um patrocinador forte, acho que não são tansos, mas, contratamos mal, devemos muito, isso não é privilégio, só q até o vizinho , que deve mais do que o Avaí, joga com Gana, coração no bico da chuteira, não si infuncha por jogar fora. Poque?

Postar um comentário