Avaí, de primeira

|
Entrevista coletiva de Raul Cabral - "Uma situação que não podemos falar é de entrega dos jogadores. Eles fizeram o máximo, e vamos fazer o que pudermos, vamos dar o máximo também, continuar trabalhando, estudar a Ponte e estudar qual a melhor maneira de enfrenta-los."
O que deu errado - "Viemos com proposta de jogar no início de contra-ataque, tivemos uma bola no começo do jogo, que o Nino (Paraíba) atravessou e acabamos não fazendo gol (André Lima chegou atrasado). A marcação estava encaixada, o Fluminense tinha dificuldade de entrar, ele vinham pelos lados, co cruzamentos, e a gente conseguia bloquear, mas no escanteio acabamos tomando o gol. Terminamos o primeiro tempo com a mesma proposta, mas eu sabia que tinha que abrir mais no intervalo, jogar mais... Coloquei o Camacho, um meia, e tirei um volante para ficar mais com a bola, conseguimos, criamos algumas oportunidades, mas não concluímos as jogadas. Aos 30, falhamos em uma bola que estava dominada (Pablo entregou para o rival), tomamos o segundo gol, e a equipe acabou desorganizando, tentando atacar de qualquer maneira. Então eles fizeram o terceiro e nós descontamos apenas no fim."
Formação com três volantes - "A ideia era ter três volantes mais rápidos, para buscar a transição, recuperar a bola e sair em velocidade, fechando espaços por dentro. Conseguimos fazer isso durante o primeiro tempo, eu acho, o Fluminense finalizou pouco, mas a gente teve dificuldade na transição, o passe não estava encaixando, e o Renanzinho e o Anderson Lopes não encaixaram no posicionamento. Tivemos dois contra-ataques no primeiro tempo, depois mudamos a proposta, porque o Fluminense baixaria a marcação para jogar no nosso erro."
Opção por Emerson na zaga - "É uma questão de experiência. Acredito que o Emerson fez uma boa partida na última rodada contra o Joinville. Acredito que ele fez uma boa partida hoje novamente, não é fácil de marcar jogadores de qualidade como o Fred, a gente sabe disso, foi uma briga dele e do Antonio (Carlos) com o Fred, eles conseguiram bloquear em várias situações. Mas se der oportunidade para um jogador desse, ele coloca para dentro."
Proposta de contra-ataque com André Lima? - "Poderia ser, treinamos uma opção com um jogador mais rápido, porém, no treinamento e observando, a gente tinha dificuldade com o Anderson (Lopes). Saindo com bolas mais longas, o Anderson tem dificuldade de jogar de costas enfiado no meio de dois zagueiros, e a gente perderia o que ele tem de melhor, que é a força e velocidade para fazer a infiltração. O André (Lima) ficaria então de pivô, para escorar a bola para enfiada de Renanzinho e do Renan Oliveira, para a chegada de Nino (Paraíba), Pablo ou até mesmo o Anderson Lopes. A alternativa era a situação com o Romulo, a gente testou, teria o Roberto também, mas ele acabou sentindo no treinamento de ontem." via Globo Esporte

5 comentários:

Unknown disse...

Me perdoe Cabral, mas te botarm no fogo, você aceitou mesmo sabendo q não tem essa capacidade e experiência prá Série A. Culpa da Diretoria. Vadico

Luiz Augusto da Costa disse...

A sensação que tem a torcida do Avai é de que o Kleina não saiu, a cada jogo se vê uma escalação parecida e, provavelmente, ainda pior do que ele fazia.
A cada jogo se vê mais do mesmo.
A cada jogo estamos mais na Série B.
E o que é pior é que vamos enfrentar, lá fora, o time reserva do Corínthians, que meteu seis a um no São Paulo, precisando vencer.
Ainda há um agravante, provavelmente, o Cabral armará o time pra não perder, ou pra não ganhar.
Byghal.

Unknown disse...

Contra-ataque é situação de jogo, nunca proposta de jogo, por isso o Avaí está nessa situação, treinadores cagões!

Daniel Salles

Luiz Augusto da Costa disse...

Até nas entrevistas o Cabral repete o Kleina, falando muito e dizendo nada, tentando explicar o inexplicável.
Perdeu uma grande oportunidade de mostrar algum conhecimento de futebol, fazendo tudo que o Kleina não fez, mas preferiu dar continuidade a tudo que já sabíamos que não era bom.
Talvez ele não tenha, mesmo, esse conhecimento que a gente espera dele.
Byghal.

Rafael Silva disse...

Bom, na verdade quando entrou o Cabral eu havia ficado mais animado e otimista achando que a "equipe" e o "grupo" fosse melhorar.
No entanto, isso não passou de uma ilusão e como disse meus amigos ae a mudança não veio trocamos de treinador apenas no papel e pessoa, pq o resto está igual ou pior.
Até agora não entendi as duas escalações, tanto contra o JEC como a de ontem. Muitos já disseram e eu concordo, o time do Avaí é Camacho e mais 10 e ponto final. Foi uma das melhores contratações e agora que precisamos dele mais ainda eles estão deixando ele de fora.

Infelizmente estamos numa sinuca de bico, pq precisamos de 2 vitórias e não vão achando que ganhar da Ponte será fácil, pq eles virão com força total e depois temos o Campeão que sinceramente só ganharemos se molhar a mão e bem molhada.

Abraços.
Rafael Silva

Postar um comentário