Avaí vence na bacia das almas

|
Foram 11 dias de descanso e treinamentos. Promessas de pagamentos de salários foram reforçadas. A premiação pela permanência na série A foi aumentada de R$ 1,5 milhão para R$ 2 milhões. Jogo dentro de casa e contra o lanterna quase pré-rebaixado do campeonato. Raul Cabral estreando como novo técnico e já com a faca e o queijo na mão. Mas Raul não quis fazer nada com tudo isso.
Mesmo mal escalado, o domínio inicial do Avaí foi premiado aos 16min com um pênalti sobre Anderson Lopes, cobrado mal e porcamente pelo ainda gordo André Lima nas mãos do goleiro Agenor, mas ainda tendo a "chancha" de aproveitar o rebote. A partir daí, acredite ou não, o Joinville tomou conta das ações, que foram facilitadas pelo encolhimento da equipe azurra. E Raul Cabral, nada.
O Avaí ainda marcou o segundo com Nino Paraíba, mas o assistente preferiu enxergar um impedimento inexistente. Vagner protagonizou alguns mini-milagres, o que nos remete à conclusão que o JEC percebia que o empate era logo ali. E ele veio, no segundo tempo, quando Raul Cabral decidiu retornar com os mesmos 11, mas com doses cavalares de desorganização e apavoramento.
Em campo só eles com 70% de posse de bola. Até aqui o Avaí estava no Z4 e assanhava ceder a vitória para o lanterna. Um filme de terror que caminhava a passos largos para reedição de desastres anteriores de um clube que a tantos anos ousa manter os mesmos erros na gestão do futebol.
Mas mesmo com um time fraco, um elenco sofrível e um técnico que não quer deixar de ser auxiliar, o céu se abriu aos 42min com Everton Silva marcando o gol da vitória. Formação e posicionamentos equivocados, postura de time pequeno dando mole para o azar, mas a incompetência foi premiada com três importantes pontos. Que bom, venceu o menos pior. Foto Charles Guerra / Agencia RBS

2 comentários:

João Marcos Monteiro disse...

O Cabral explicou por que colocou o Claudinei, e por incrivel que pareça o rapaz jogou bem, depois do gol o Avaí teve 4 chances claras de gols, 1 gol mal anulado.. Se o gol do Nino é validado creio que o sofrimento seria muito menor, naquele momento o Joinville era presa fácil e não soubemos matar o jogo.

Ennio disse...

Estou contigo, sem mais nem menos.

Postar um comentário