Coletiva pós-jogo de Raul Cabral

|
"Depois dessas últimas partidas ficou inviável a questão de alguma coisa no Catarinense, mas temos que manter o foco nas partidas. O Camboriú achou uma bola e fez o gol. Pecamos novamente nas finalizações das jogadas, não tenho uma explicação, em termos de resultados, mas em termos técnicos voltamos a oscilar, como prevíamos que poderia acontecer. Os jogadores sentiram muito a pressão da torcida, e isso desestabilizou a equipe. Em termos de luta e entrega, isso não faltou. Faltou qualidade nos término das jogadas."
Oscilação da equipe - "Com certeza sente, a gente sabe que isso poderia acontecer. Isso já havia sido falado no começo do campeonato, e acumula e aí pesa. Na palestra foi conversado sobre isso. Infelizmente a gente ficou restrito as jogadas pelas beiradas para transformar a jogada na finalização, ou erramos no ultimo passe ou erramos na finalização."
Baixa produção do ataque - "Realmente muito pouco, eu vejo assim. As situações mais claras de gol não foram as que acertamos o gol. Tivemos ansiedade e erramos o último passe. Então, a gente não pode achar que está tudo errado, mas temos que saber que não podemos só nos pautar no resultado. Não está tudo errado, temos que melhorar, é preciso acertar e sabíamos que acontecer o processo de evolução aos atletas. Estamos fazendo isso, vejo que as derrotas podem amadurecer os jogadores. O primeiro turno foi muito bom, estamos oscilando nesse momento e que isso sirva de aprendizado para corrigir isso tudo antes da Série B."
Cara do Avaí em 2016? - "A gente tem um modelo de jogo e um conceito de jogo. Procuramos aproximar, ter posse de bola e a criação das jogadas. Estamos oscilando e sofrendo gols em momentos de erros individuais. Erramos e sofremos o gol e tem que saber lidar com a pressão. Um atleta jovem irá oscilar quando for pressionado. Tecnicamente um atleta que há 15 dias era bom, hoje não pode ser ruim. Não temos nenhum Pelé, mas não tem nenhum Zé Mané."
Pode tirar mais desses atletas? - "Creio que sim. Uma coisa que aconteceu, os bons resultados mascaram algumas falhas. Internamente a gente vinha trabalhando essa questão. A gente tem que internamente que trabalhar isso. Estamos controlando algumas coisas, é preciso tirar de um jogo e colocar no outro. Não podemos achar que o atleta que faz um jogo muito bom na partida, começa a oscilar e baixar o rendimento vamos perder esse atleta se não cuidar."
Jogo contra a Chapecoense - "Temos que motivar os atletas para um jogo importante, jogo contra a líder. É um jogo muito difícil para o campeonato, temos que pautar muito na questão da consistência defensiva. Quando tivemos isso, contra o Figueirense e Joinville, apresentamos um bom futebol."
Se sente em condições de continuar? - "Quando me foi apresentado o projeto, em momento algum foi falado na questão de título. Se falou na situação do clube em situação financeira. Era preciso sanear o clube. Era uma questão de sanear o clube e trabalhar com jovens. Eu me sinto muito preparado, é preciso responsabilidade. Na hora boa eu estou com eles, e na hora ruim eu estou com eles. E vamos mudar através de trabalho e não falando. Tenho que trabalhar e focar para que possamos evoluir. A direção apresentou um projeto, montamos isso junto, acredito que vamos ter o suporte para esse projeto. Com jovens atletas é essa maneira de trabalho. Tivemos um resultado muito bom no primeiro turno, e agora passou a oscilar por alguma coisa comportamental."
Carências no grupo, avaliações - "Sabíamos que o estuda seria usado para essa maneira, de observar jovens. Estamos observando atletas que possam vir a nos ajudar na temporada de 2016 para ter uma seleção e trazer aleta s pontuais para não contratar alguém que já esteja por aqui. Estamos tendo um planejamento, demos oportunidades a todos os aletas do grupo, para que tenha a evolução e possamos ver os atletas que estão prontos para a temporada."
Foco na preparação para a série B - "Creio que sim, essas ultimas partidas ficou inviável a questão de alguma coisa no Catarinense, mas temos que manter o foco nas partidas. É preciso saber que jogo a jogo é que irá dar a importância aos atletas. É preciso ter a evolução, será feito dentro do Catarinense e no dia a dia. Temos que saber quais as carências no time e temos que ver quem deu respaldo e podem amadurecer. Sabemos que vamos precisar de atletas mais experientes para a Série B e a Copa do Brasil." Raul Cabral via Globo Esporte

Nenhum comentário:

Postar um comentário