"Não se pode fazer terra arrasada"

|
A sequência de maus resultados que levaram o Avaí à lanterna do returno do Campeonato Catarinense, sem nenhum ponto, deixa o clube pressionado. O descontentamento com o resultado de campo acaba respingando na diretoria. (...) O presidente Nilton Macedo esteve na Ressacada ontem e se mostrou tranquilo em relação às críticas da torcida. (...) Por telefone, ele conversou com o Diário Catarinense sobre o atual momento.
Como você vê o momento de pressão no Avaí? Como está sendo administrar de forma que nada externo faça com que vocês tomem alguma atitude precipitada?
Vejo com calma e com tranquilidade. Até porque muitas coisas que se fala externamente não têm fundamento e procedência. Em alguns momentos aproveitam a situação para criticar. A gente pode ter se equivocado em algum atleta contratado, mas não se pode fazer terra arrasada porque perdemos os últimos quatro jogos. Se tivesse vencido não existiria crise.
Sobre críticas, seria essa insinuação de que Eduardo Uram interfere nas ações do clube?
É outra coisa absurda. Atualizei a planilha hoje, nós temos 34 atletas e desses existem quatro que têm vinculação com ele. Um deles é o Antônio Carlos, que saiu agora. Lembrando que o Romulo não é do Uram, ele é nosso e o Uram tem um percentual disso. Todo clube tem empresários que possuem mais atletas, não entendo isso. Divulgam como se fosse verdade. Nos contratos com atletas dele temos 20% da negociação se eles saírem durante o contrato. A gente paga para eles apenas o salário. Não se paga luvas, nada para trazê-los.
Em uma das pichações insinuaram uma relação entre o Marcelo Gonçalves, diretor de futebol, e o Uram. O Gonçalves foi indicado pelo Uram?
Não existe isso, é mais um absurdo. Na verdade eu estava procurando um novo diretor e o Uram me disse: Existem vários profissionais no mercado, esses são alguns que conheço¿. E listou alguns nomes. Eu entrevistei o Gonçalves, gostei e ele foi contratado. Ele não é agenciado pelo Uram, nada disso. Quer dizer que isso não pode? Está ficando uma coisa chata isso (essa insinuação).
Como foi a pressão na reunião da última segunda-feira, para tirar o Raul Cabral?
Não é pressionar, tem que avaliar com frieza e tem que ser sem sentimento. Se avalia se fica ou não. E definimos que por enquanto fica conosco. A gente tem conversado com ele. O Raul é inteligente e transparece que tem a humildade em aceitar reparos e isso é salutar. via Diário Catarinense

Um comentário:

ney.lf disse...

É bom ele explicar porque fechou a cota de TV para o Brasileiro com o Avaí ficando com o menor valor entre todos os catarinenses. Já recebeu valores antecipados da TV para 2019 quando não mais estará na presidência do clube. Isto é imoral e afeta a administração de uma nova Diretoria. Fora Nilton, seu abutre.

Postar um comentário