Coletiva pós-jogo de Silas

|
"O Braga estava saindo muito bem com a bola, o Chapecó saiu para que a gente pudesse colocar mais um atacante, pois como o Joinville se recuou todo, a gente estava chegando pelas beiradas, era meter uma bola cruzada e fazer o gol. Tivemos essa bola cruzada, não sei pelas imagens, mas pelo o que me foi relatado, a bola bateu na mão do jogador. Teve um lance decisivo para eles no primeiro tempo e um para a gente no segundo. Quando a gente estava com um homem a menos, eles fizeram o gol, e quando eles estavam com um homem a menos, tivemos o lance do pênalti. Foi um jogo equilibrado, um Joinville se defendendo muito. No segundo tempo, principalmente, o Renan não trabalhou e teve um lance que poderia ter mudado a história do jogo."
Esquema de jogo - "Essa bronca do torcedor não é de hoje, essa bronca do torcedor é pela derrota contra o Bragantino, por alguns atletas que ainda não renderam o que esperamos, mas deixei o William aqui e não levei para Bragança para ele descansar, o Tatá ficou aqui para treinar, treinamos ele, não ficou para descansar. É aquilo que eu falei, ainda não estamos com um grupo homogêneo. O Jajá chegou, não estava jogando no Flamengo, chegou, jogou, mas hoje sentiu, assim como o Gerson Magrão sentiu ontem com 10 minutos de jogo. Estamos jogando a cada três, quatro dias. Eu tive que tirar o Chapecó, a gente estava conseguindo chegar, méritos para o Joinville também, veio com uma preposta defensiva e conseguiu segurar. Eu vi as entrevistas do Hemerson Maria, hoje foi o quinto gol na Série B, um clássico que foi definido no detalhe."
Linhas mais próximas - "Fizemos uma análise rápida o jogo com a comissão. O time não jogou mal, foi uma briga com poucas chances para todo mundo, uma para eles, clara, uma pra nós, clara, e ficou nisso aí. Eu disse para o quarto árbitro: "Você não poderia avisar ele?". Em um jogo como esse, um lance daquele tinha que cobrar o pênalti, não tinha como."
Triunfo em casa - "O grupo é um grupo forte, que mescla juventude com experiência. O Tatá estava se cobrando, quando estiver melhor fisicamente, vai render mais. Mas não sou treinador de ficar reclamando, temos um grupo aqui. Temos chances de chegar? Temos. Temos chances de não chegar? Temos. Tem outros times fortes: Sim. Estamos na oitava rodada. Eu trabalho com otimismo. Eu tenho que focar no trabalho. Não posso me martirizar em um setor que não tenho como interferir. É seguir trabalhando, tem muita coisa pela frente, temos que melhorar."
Atuação - "Eu não disse que jogou bem, eu disse que jogou um clássico trucado, contra um time que marca e se defende muito. Eles tiveram uma chance no primeiro tempo. Dentro de um jogo truncado como esse, um detalhe define. E foi isso que aconteceu. Agora, se analisar o segundo tempo, o Joinville nem chutou no segundo tempo, eles se fecharam bem, não posso tirar o mérito do adversário. Com o Ceará foi assim. Tem dia que esse tipo de coisa vai acontecer. Tenho que ver que o time não se desorganizou. O Braga entrou bem, tivemos a perda do Jajá, o Tatá sabe fazer certos movimentos, o Tauã mantivemos pela beirada. Não posso ficar indo no barulho. Se eu for nesse barulho, o jogador vai pedir para ir embora. Faz parte de um grupo." Paulo Silas via Globo Esporte

Nenhum comentário:

Postar um comentário