Coletiva pós-jogo de Claudinei Oliveira

|
"O que pretendemos, em primeiro lugar, é a nossa vitória. Os jogadores fazem muito mais que os treinadores. Uma vitória de todos, torcedores, jogadores e comissão técnica. É legal a gente estar próximo no G-4, mas o mais legal é chegar no final para ter o acesso. É jogo a jogo, sofremos. Eu falei que iríamos sofrer mesmo, é sofrido. Todo mundo se doando e batalhando o tempo todo. Tem que brigar por todas as bolas e ser organizado."
Marquinhos e sua importância - "Cinco assistências já. Duas assistências hoje, e os números falam por si só. Ele tem uma qualidade muito grande, ele está voltando no momento que ele tinha que entrar. Hoje, ficou até mais do que podia ficar no campo. Tem a força do grupo, o Marquinhos falou isso. E é aí que vem a força do grupo, com todo mundo se doando. Só tínhamos uma substituição, e ele brigou, ficou mais do que era previsto, ele lutou, deu carrinho. A bola que ele meteu no primeiro gol são poucos jogadores que fazem aquilo. Temos que aproveitar a qualidade dele. Que todo mundo possa competir para que os jogadores possam decidir o jogo."
Cada jogo é uma decisão - "Isso é desde o primeiro dia. Passamos para os atletas, não tem a volta. Estamos no segundo turno, não tem mais como fazer isso. É jogo decisivo em todas as partidas. Não podemos escolher a viagem ou o jogo, todo mundo tem que se sacrificar, é mais um jogo dificílimo contra o Joinville. É um clássico regional. Espero um jogo como foi aqui, sem facilidade nenhuma. Se a gente for competitivo, a gente está ganhando desse jeito, temos que manter a mesma pegada, se fizermos igual aos outros jogos, a tendência da vitória é maior."
Dificuldade no primeiro tempo - "A gente teve que propor o jogo. Se erra passe, o adversário vem para contra-atacar. Estamos evoluindo, quando tem uma equipe fechada, você tem que ter uma equipe com a possibilidade do drible. Então temos que fazer isso, o Renato, o Tatá e o Capa. A arbitragem foi boa, mas deixou o jogo correr no começo, e eles atropelavam, sofremos um pouco com isso. Estou satisfeito com o rendimento. Falei para eles que seria um jogo brigado e que, felizmente, conseguimos fazer dois gols e saímos com a vitória."
Departamento Médico - "O Betão e o João, para falar a verdade, nem conversamos ainda. Não parei para perguntar para ninguém. Cada jogada é uma decisão. Então, não falei com ninguém, não relaxei um minuto. O Lucas Coelho, ele achou, conversando conosco, que estava sem confiança na movimentação. Então poderia ficar com dor, inseguro, e poderia ficar mais tempo fora, não jogaria o Joinville ou mais tempo. Ele está com dor, está com dor, não tem como medir isso."
Duelo com o Joinville - "Essa primeira semana, principalmente, a gente tem que recuperar os jogadores, na segunda ou na terça vamos focar em quem não está jogando. Quem joga, vamos descansar um pouco, dar uma segurada. É uma intensidade que pode acabar dando lesão muscular. Vamos segurar até a quarta, depois a gente trabalha mais forte. Teremos semanas cheias para trabalhar, e a tendência é a equipe melhorar. E aí a gente consegue chegar perto da perfeição."
Que campeonato o Avaí disputa? - "Eu falo para eles que estamos brigando para sermos campeões do segundo turno. É um titulo simbólico, mas, onde ele vai nos levar, não sabemos. A gente, olhando para frente, deixamos quem está para trás. A situação estava bem crítica no dia 20 de agosto contra o Bahia. A situação estava bem crítica, mas as coisas mudaram. Se a gente não focar, daqui a um mês a gente pode estar lamentando. Não podemos deixar cair a intensidade."
Salários atrasados - "A gente sabe da dificuldade que está tendo, mas sabemos do empenho da diretoria em quitar. Essa semana deve ter uma novidade boa em relação a isso, sabemos que não é o correto. O bom é estar tudo em dia. Estão buscando a solução, e a gente acredita que o grupo vai seguir jogando, brigando pelas vitórias. Até porque temos que fazer jus ao apoio do torcedor que estamos conquistando." Claudinei Oliveira via Globo Esporte

Nenhum comentário:

Postar um comentário